COMITÊ DO RENOVABIO ESTABELECE PLANO DE TRABALHO

Nesta segunda-feira (02/04/2018), o Comitê do RenovaBio, iniciativa estratégica para a descarbonização do setor veicular por meio do uso de biocombustíveis, esteve reunido em Brasília para a sua primeira reunião ordinária. Com a presença de representantes de diversos ministérios, o colegiado técnico deliberou sobre o plano de trabalho.

Segundo Eduardo Leão de Souza, diretor Executivo da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), este foi o primeiro passo para a criação das bases do programa, que é a definição das metas de redução das emissões de gases de efeito estufa (GEEs) nos transportes pelos próximos 10 anos.

“Isto permitirá a desejável previsibilidade de regras e, consequente, a retomada de investimentos no setor sucroenergético. Pelas informações que tivemos, o objetivo desta reunião, a primeira de um total de sete previstas até o fim de maio, foi a discussão e estabelecimento do modelo que resultará na fixação das metas. A transparência tem sido uma marca desse processo e a UNICA, bem como todo a indústria de biocombustíveis, está pronta para contribuir com o RenovaBio, seguramente o mais relevante projeto de descarbonização em discussão na atualidade”, afirma Eduardo Leão.

De fato, de acordo o diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Miguel Ivan Lacerda de Oliveira, já houve a definição do método (modelo) que será usado para determinar as metas propostas pelo Comitê do RenovaBio. “Antes das metas seguirem para o Conselho Nacional de Politica Energética, será realizada uma chamada pública, na qual colheremos as críticas e sugestões que melhorar os resultados. Faremos uma reunião com todos interessados que queiram saber mais sobre o processo. É o nosso esforco para fazer o certo com diálogo e transparência”, afirma.

O Comitê do RenovaBio, coordenado pelo MME, tem a participação de outras pastas: do Meio Ambiente; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; da Fazenda; do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; e da Casa Civil da Presidência da República.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *